Ourique FM

Editorial | As ideias movem o mundo

18/08/2017

Francisco Themudo de Oliveira

O motor do desenvolvimento humano não são homens e mulheres, mas as ideias que esses mesmos homens e mulheres têm.

 

O que afeta os cidadãos, o que move a sociedade, e por sua vez, o resultado da política, são as ideias que os homens implementam. E não os homens que lá estão.

 

Os homens por si só muito pouco podem fazer. As suas ideias é que são o agente de mudança.

 

Escrevo-vos estas linhas porque é o pensamento que me decorre na sequência desta já agitada pré-campanha eleitoral.

 

Nesta pré-campanha para a eleição dos órgãos de poder local já se viu de tudo. Apresentações de candidatura, presença de políticos nacionais, calúnias e rumores, inúmeros posts de facebook, flyers, outdoors, injúrias pessoais, slogans de campanha, muitas reuniões de trabalho, vídeos, uma segunda leva de outdoors, apresentação das listas completas e sua posterior entrega no tribunal, até já temos o sorteio que define a posição dos partidos no boletim de voto. O que falta então? As ideias que cada um quer implementar.

 

As ideias, que deveriam dar corpo a todos os adereços de campanha estão ausentes, relegadas para segundo plano. Só sabemos quem quer lá estar, e não o que querem fazer.

 

Mas há pano para mangas quando analisamos as dificuldades do interior, do Baixo Alentejo e do concelho de Ourique.

 

Há uma sangria de pessoas, desde os anos 80, que tornam esta zona do país cada vez mais desertificada, mais envelhecida, com menos jovens e menos perspectiva de mais se fixarem.

 

A economia local não fixa e absorve emprego qualificado. Os postos de trabalho que aqui se criam são precários, mal pagos e não atraem jovens com qualificações - Fruto das assimetrias do território nacional, mas também da apatia local.

 

A água escasseia, temos uma seca extrema no nosso território e a agricultura de sequeiro sofre, a fauna e flora local começam a sofrer impactos graves. Mas um evento que devia ser excepcional já não o é. Todos nos lembramos da seca em 2005, das cheias em 1997 e agora desta seca de 2017. Eventos que antes eram um numa vida, começam a ser perigosamente mais recorrentes e o concelho de Ourique muito tem sofrido com isso.

 

Agora pergunto-vos, que têm dito as campanhas sobre isto? Sobre os desafios estruturais da nossa região. Que ideias têm? Não sabemos.

 

Os cínicos que se sentam à mesa do café vão dizer que a política em Ourique não é sobre ideias, que pensar assim é ser demasiado utópico. Outros dizem que a campanha política começa quando insultos pessoais são disparados, que o que leva as pessoas à urna de voto não é o que é melhor para a sociedade, mas sim o que vai ser melhor para elas.

 

Eu não concordo, e espero que os cínicos, que a má-língua, e que esses detentores de verdades universais se enganem. Pois para vivermos num sítio melhor não precisamos de pessoas, precisamos sim, das ideias das pessoas.

 

Façam promessas, digam ao que vão. Podem falhar e não cumprir, mas tentem! Se não o fizerem, e não forem as ideias a moverem os homens, seremos uns tolos a brincar ao jogo das cadeiras.

No Ar